Skip to content

“Convertendo o coração dos pais aos filhos e dos filhos” – Pastor Marcos Lino

ago 12 2018

pr-marcos-120818

Culto ministrado pelo pastor Marcos Lino, em 12 de agosto de 2018.

Convertendo o coração dos pais aos filhos e dos filhos

Texto Base: Malaquias 4:5-6

“E eu enviarei a vocês o profeta Elias, antes da vinda do grande e terrível dia do julgamento do Senhor. 6 A pregação desse profeta fará os pais e os filhos se unirem de coração novamente; e todos saberão que, se não se arrependerem, eu virei e castigarei a terra com maldição”.

Introdução

As maldições que tem nos atingido nos dias de hoje, como Igreja, são decorrentes de problemas mal resolvidos entre pais e filhos. Sabemos que Deus estabeleceu a família, e junto com ela estabeleceu a ordem e a autoridade entre seus membros. Sabemos também que toda autoridade é constituída por Deus, de modo que, guardadas as devidas proporções, essa autoridade representa a autoridade de Deus.

Os dias maus em que vivemos, nos levam a diversas dúvidas e dores, sendo uma das mais significativas, a que se relaciona à preocupação com nossa família e mais especificamente com nossos filhos e suas vidas com Deus, em meio a um mundo cada vez mais centrado nas aparências, na necessidade de qualificação num mercado cada vez mais exigente e competitivo, na preponderância dos prazeres fáceis e fugazes, na IDEOLOGIA DO SER FELIZ A QUALQUER CUSTO, DA LÓGICA INSANA E INFUNDADA DE QUE O QUE IMPORTA É QUANTO VOCÊ TEM E NÃO O QUE VOCÊ É ESSENCIALMENTE, surge uma pergunta que não se cala, ou seja, COMO ALCANÇAR OS CORAÇÕES DE NOSSOS FILHOS, LEVANDO-OS A TER DE FATO UM RELACIONAMENTO DE INTIMIDADE COM DEUS?

Os reflexos dessa instabilidade familiar, resultado da rebeldia contra a autoridade estabelecida, são sentidos numa faixa etária específica: os índices de mortalidade revelam que os jovens estão morrendo e desperdiçando o melhor tempo de suas vidas: acidentes de trânsito, uso indiscriminado de drogas, doenças sexualmente transmissíveis, álcool, assassinatos, suicídios, depressão etc. Tudo isso é resultado da desobediência e a palavra que diz:

(Êxodo 20:12) 12 “Honra teu pai e tua mãe, a fim de que tenhas vida longa na terra que o Senhor,o teu Deus, te dá.

Lemos também no evangelho de Mateus (Mt 15.4) que “quem maldisser a seu pai ou a sua mãe seja punido de morte”. O jovem de hoje faz parte de uma geração rebelde, que maldiz e se levanta contra seus pais, e Satanás tem aproveitado essa brecha poderosíssima no mundo espiritual para aniquilar a nova geração, para acabar com a nossa juventude. Como povo de Deus nós temos sido chamados para sermos restauradores de brechas, restauradores da benção de Deus. Chamados para converter os corações dos pais aos filhos e dos filhos aos pais.

Lemos em Malaquias (4.5): “eis que eu vos enviarei o profeta Elias, antes que venha o grande e terrível dia do Senhor, ele converterá o coração dos pais aos filhos e o coração dos filhos aos pais, para que eu não venha e fira a terra com maldição”. Por que Elias? Porque Elias se levantou contra os profetas de Baal, contra um deus (demônio) que era adorado por meio do sacrifício de crianças, onde os pais sacrificavam os próprios filhos.

O número impressionante de jovens mortos que temos assistido nos noticiários e lido nos jornais é expressão da maldição que eles têm atraído sobre si hoje. A Palavra de Deus está falando que nos últimos dias seriam enviados profetas no espírito de Elias para dizer um basta a esse demônio, para ensinar a viver a honra aos pais, a fim de que a brecha seja fechada e a benção liberada.

Deus está nos chamando para este ministério, converter o coração dos pais aos filhos e o dos filhos aos pais para que a benção de Deus esteja sobre a terra. Para que isso aconteça há um caminho de volta que precisa ser trilhado com algumas chaves nas mãos.

A primeira chave para a reconciliação entre pais e filhos é o arrependimento. Deus, através de Malaquias, nos fala que enviará profetas no espírito de Elias para que isso ocorra, ou seja, um espírito de arrependimento. João Batista foi um profeta enviado por Deus nesse espírito para pregar uma mensagem específica: “Arrependei-vos, porque é chegado o Reino”. A vida cristã está estritamente ligada ao ensino e a prática da verdade da Palavra de Deus; e a verdade é que, sem arrependimento, não haverá a conversão do coração das pessoas.

(Ezequiel 18:32) 32 Eu não tenho prazer na morte de ninguém. Palavra do Soberano, o Senhor. Arrependam-se! Arrependam-se e vivam!”

Arrependimento significa reconhecimento de falhas, mudança de caminho e atitudes. Muitos filhos têm se levantado em desobediência e não estão aceitando a autoridade dos pais. Se quisermos viver dias felizes, como filhos ou como pais, devemos ser passados pelo crivo da Palavra de Deus e nos arrependermos, da preguiça, do desperdício, do desrespeito, da indiferença e da violência. Se a nossa geração de cristãos pretende fazer a diferença, então o arrependimento tem que ser um estilo de vida.

Vejamos alguns versículos sobre arrependimento.

2 Crônicas 7:14 | ARC |
E se o meu povo, que se chama pelo meu nome, se humilhar, e orar, e buscar a minha face, e se converter dos seus maus caminhos, então, eu ouvirei dos céus, e perdoarei os seus pecados, e sararei a sua terra.

1 João 1:9 | ARC |
Se confessarmos os nossos pecados, ele é fiel e justo para nos perdoar os pecados e nos purificar de toda injustiça.

Provérbios 28:13 | ARC
O que encobre as suas transgressões nunca prosperará; mas o que as confessa e deixa alcançará misericórdia.

Atos 3:19 | ARC |
Arrependei-vos, pois, e convertei-vos, para que sejam apagados os vossos pecados, e venham, assim, os tempos do refrigério pela presença do Senhor.

Mateus 9:13 | ARC |
Ide, porém, e aprendei o que significa: Misericórdia quero e não sacrifício. Porque eu não vim para chamar os justos, mas os pecadores, ao arrependimento.

Mateus 3:8 | ARC |
Produzi, pois, frutos dignos de arrependimento.

2 Pedro 3:9 | ARC |
O Senhor não retarda a sua promessa, ainda que alguns a têm por tardia; mas é longânimo para convosco, não querendo que alguns se percam, senão que todos venham a arrepender-se.

2 Crônicas 30:9b | ARC |
Porque o Senhor, vosso Deus, é piedoso e misericordioso e não desviará de vós o rosto, se vos converterdes a ele.

Mateus 4:17 | ARC |
Desde então, começou Jesus a pregar e a dizer: Arrependei-vos, porque é chegado o Reino dos céus.

Tiago 4:8 | ARC |
Chegai-vos a Deus, e ele se chegará a vós. Limpai as mãos, pecadores; e, vós de duplo ânimo, purificai o coração.

Joel 2:13 | ARC |
E rasgai o vosso coração, e não as vossas vestes, e convertei-vos ao Senhor, vosso Deus; porque ele é misericordioso, e compassivo, e tardio em irar-se, e grande em beneficência e se arrepende do mal.

Marcos 1:15
E dizendo: O tempo está cumprido, e o Reino de Deus está próximo. Arrependei-vos e crede no evangelho.

A maldição que tem sido plantada nessa geração só pode ser quebrada pelo arrependimento e pelo perdão. E o perdão é a segunda chave para a conversão do coração dos pais e dos filhos. O arrependimento nos conduz ao perdão que arranca as raízes de amargura e de ódio produzidas por Satanás. O perdão deve ser uma via de mão dupla, tanto dos pais para os filhos quanto dos filhos para os pais. O perdão não depende de sentimento, é uma ordem. É injusto e impagável, mas é prático e restaurador. Por meio dele a posição perdida entre pais e filhos é:

1 – A falta de perdão nos faz sentir torturados. “Então o senhor chamou o servo e disse: Servo mau, cancelei toda a sua dívida porque você implorou. Você não deveria ter tido misericórdia do seu conservo como eu tive de você? Irado, seu senhor entregou-o aos torturadores, até que pagasse tudo o que devia. Assim também lhes fará meu Pai celestial, se cada um de vocês não perdoar de coração a seu irmão” (Mateus 18:32-35).

2 – A falta de perdão provoca sentimentos de vingança. “Não diga: ‘Farei com ele o que fez comigo; ele pagará pelo que fez” (Provérbios 24:29).

3 – A falta de perdão nos impede de ser perdoados por Deus. “Mas se não perdoarem uns aos outros, o Pai celestial não lhes perdoará as ofensas” (Mateus 6:15).

4 – A falta de perdão retarda as respostas às nossas orações. “E quando estiverem orando, se tiverem alguma coisa contra alguém, perdoem-no, para que também o Pai celestial lhes perdoe os seus pecados” (Marcos 11:25).

5 – A falta de perdão nos leva a ver as falhas dos outros, mas não as nossas. “Por que você repara no cisco que está no olho do seu irmão, e não se dá conta da viga que está em seu próprio olho? Como você pode dizer ao seu irmão: ‘Deixe-me tirar o cisco do seu olho’, quando há uma viga no seu? Hipócrita, tire primeiro a viga do seu olho, e então você verá claramente para tirar o cisco do olho do seu irmão” (Mateus 7:3-5).

6 – A falta de perdão nos leva a andar nas trevas. “Mas quem odeia seu irmão está nas trevas e anda nas trevas; não sabe para onde vai, porque as trevas o cegaram” (I João 2:11).

7 – A falta de perdão nos impede de procurar o melhor para nossos relacionamentos, entre eles, o nosso casamento. “Tenham cuidado para que ninguém retribua o mal com o mal, mas sejam sempre bondosos uns para com os outros e para com todos” (I Tessalonicenses 5:15).

A terceira chave para a reconciliação dos pais aos filhos e dos filhos aos pais é a honra. Honrar é decidir atribuir valor e importância à outra pessoa, considerando-a digna de grande respeito, consideração e amor. Existem pelo menos quatro motivos pelos quais devemos honrar nossos pais.

Em primeiro lugar porque, ao honrá-los, estamos honrando uma parte de nós mesmos, que nos gerou. Em segundo, porque ao honrá-los, estamos evitando repetir os erros deles: muitos filhos querem se livrar da lembrança danosa de um pai problemático, mas ao desonrá-lo terminam por contemplá-lo no espelho todas as manhãs. Em terceiro porque, ao honrá-los, honramos a Deus que os constituiu como autoridade sobre nós. Assim, a desonra aos pais é um ataque direto contra Deus. O fruto desse ataque é a insubmissão à Sua vontade. Por fim, devemos honrá-los porque a honra nos garante uma longa vida sobre a terra.

Deus honra todo aquele que O honra, essa é uma lei espiritual. Assim, quem honra aos pais desfruta da bênção completa no casamento, na profissão, no ministério, ou seja, em tudo. Honrar nossos pais é uma ordem de Deus. Honramos nossos pais presenteando, obedecendo, respeitando, elogiando, valorizando, sensibilizando, falando a verdade, dando crédito, homenageando.

Mas, ainda resta uma coisa a ser feita, que diz respeito à quarta chave: abençoar. O relacionamento entre pais e filhos é uma relação profunda e por isso mesmo muito séria. Não há benção ou não há maldição maior que a dos pais aos filhos. Os pais devem consertar os erros do passado, pois o clamor de um pai pelo filho é poderosíssimo. Jacó já sabia disso quando roubou a primogenitura de Esaú (Gn 27.27-30). Abençoar é liberar para prosperar espiritualmente, financeiramente, emocionalmente etc. Deus se alegra quando uma família vive debaixo desse princípio.

Essas são as chaves disponíveis para vivermos a realidade da profecia de Malaquias. Através delas o jugo de Satanás será destruído. Deus está convertendo o coração dos filhos aos pais e dos pais aos filhos e isso é uma resposta de oração da Igreja. Deus está levantando uma geração para obedecer a Sua Palavra, uma geração que se levanta para ser uma voz profética. Como cristãos, prezamos e queremos viver isso.

Sem arrependimento e mudança de atitude de maneira alguma vamos vencer.

Pois a palavra diz:
(Mateus 12:25) Jesus, porém, conhecendo os seus pensamentos, disse-lhes: Todo o reino dividido contra si mesmo é devastado; e toda a cidade, ou casa, dividida contra si mesma não subsistirá.

 Ouça a pregação clicando no botão play, no player abaixo.

Pr. Marcos Lino

Por Pr. Marcos Lino

Pastor responsável pela ministração do Louvor e integrante da liderança do ministério de Louvor e Adoração.