Skip to content

“Novo nascimento” – Pastora Maria

jul 01 2018

maria_01jul18

Culto ministrado pela pastora Maria Granado, em 01 de julho de 2018.

Novo nascimento

Texto Base: ( I Coríntios 1:18,25 / 2:1,5)

Introdução:

A obra do Senhor Jesus Cristo na cruz, nos incluindo em Sua morte e ressurreição, é tão vasta, rica, tremenda e de alcance universal e eterno, que ela ocupa o centro de atenção dos profetas do Antigo Testamento, seduz os anjos, e é o único assunto da pregação apostólica. Desta forma, convém também para nós mergulharmos profundamente na obra de CRISTO na cruz, em Sua morte e ressurreição, na qual fomos incluídos, para que possamos conhecer, crer, experimentar e transmitir aos outros. (1 Pedro 1:10,12).

Jesus realizou grandes feitos na cruz a nosso favor e poderíamos falar qualquer um pois vale muito ouvir. (Aniquilou o pecado, resgatou-nos de uma vã maneira de viver etc.). Hoje quero repartir com vocês um deles, que acho muito oportuno.

Jesus nos despojou da natureza carnal.”

O primeiro homem ao ser criado por Deus foi feito alma vivente; ele possuía espírito, alma e corpo, mas o que predominava nele era sua alma, a sua mente sede a sua vontade, pensamentos, emoções e sentimentos.

O Criador o fez assim, dotando-o de uma mente capaz, extraordinariamente inteligente e engenhosa, o que o tornava muito superior e dominador sobre todos os seres criados (Gn 2:7)

Se o homem terreno, feito alma vivente, tivesse comido da árvore da vida, ele se tornaria um ser espiritual, no qual o Espírito de Cristo passaria a habitar nele, controlando e guiando a sua mente, cumprindo-se em sua vida todos os tremendos propósitos do Pai. (Sl 8: 4,6)

Mas quando o homem fez a escolha errada pecando ao comer da arvore da ciência do bem e do mal, ele imediatamente sob o efeito do pecado, morreu espiritualmente e sua mente se tornou dominada por uma natureza carnal e pecaminosa. (Gn 2:7,17)

O homem perdeu a Glória de Deus “Todos pecaram e estão afastados da gloriosa presença de Deus.” (Rm 3:23) e a natureza pecaminosa, nele gerada pelo pecado, passou a dominar a sua mente, levando-o continuamente para as paixões carnais.

Todo ser humano nasce carnal, dominado pela natureza pecaminosa. (Ef 2:1,3)

No homem, agora carnal, seus pensamentos vontade e emoções estão escravizados por uma natureza pecaminosa que faz com que ele viva exclusivamente para sua glória pessoal, para as coisas terrenas e para satisfação de suas necessidades espirituais, psíquicas e físicas de maneira totalmente degenerada (Rm 1:28, 32)

Na parte espiritual o homem carnal quer agradar a Deus, buscar a Deus, ser livre do pecado por suas próprias forças, por seus próprios méritos, para sua glória pessoal. Criando com isso as religiões, as denominações e esquemas humanos de fé, correntes teológicas, regras, leis e sistemas – tudo morto, tudo sem vida.

(Cl 2:16,19)

Na parte psíquica o homem carnal passa a ter pensamentos, vontades, desejos, e emoções totalmente desordenados como: inveja, ódio, ira, ciúmes, vontades, orgulho, amargura, ressentimento, malícia, sensualidade...

Na parte física, o homem carnal passa a satisfazer suas necessidades e instintos materiais de maneira totalmente destorcida. (a fome dá lugar a glutonaria, a sede à embriagues, o sexo à prostituição, adultério, lascívia, homossexualismo e tantas outras aberrações). (Gl 5: 19,21)

Com esta natureza pecaminosa, constantemente agitando a sua alma, lançando nela toda sorte de cobiças carnais, o homem não tem verdadeira paz, não pode ser controlado pelo Espírito, não é salvo e não pode herdar o reino de Deus. (Rm 8: 7,8)

Enquanto o homem está vivendo a sua vida natural e comum no pecado, ele não tem consciência da sua natureza carnal: mas quando ele, por várias circunstâncias, começa a querer sinceramente obedecer a Deus, mudar sua maneira errada de viver e agradar a Deus, aí começa a sua grande crise. Ele percebe que apesar de todo o seu esforço não é capaz de uma vida plena de obediência a Deus e chega a esta conclusão que o querido irmão Paulo chegou: “… eu sou carnal, vendido sob o pecado…miserável homem que sou…!” (Rm 7: 14,25)

O grande problema é que muitos neste momento passam a usar de todos os recursos de seus próprios esforços e justiça própria, para vencer a natureza carnal, tentando vencê-la, crucificá-la com sua própria capacidade: e aí começa: jejuns desconexos, outra disciplina etc. Tudo em vão! ]

Apenas através da obra da CRUZ do Senhor Jesus Cristo é que alcançaremos a total e definitiva libertação da nossa natureza carnal, pois a Palavra de Deus nos garante que fomos incluídos na morte com Jesus na cruz, e que somente através da morte de Cristo somos livres da condenação. (Cl 2:11)

Portanto a obra do Senhor Jesus na cruz foi completa para nos libertar do pecado. Não somente o aniquilou mas crucificou a natureza carnal que o pecado gerou em nós.

Desta forma quando pela fé na Palavra viva de Deus confessamos e tomamos posse da crucificação de nossa natureza carnal e de nossa ressurreição em Cristo, participantes agora da natureza divina, cessam todos os combates interiores, nascemos de novo, entramos no descanso do Senhor e passamos a ser completamente controlados pelo Espírito. (Gl 5:24,25)

 “Vós porem não estais na carne, mas no Espírito, se é que o Espírito de Deus habita em você.” (Rm 8:9)

Agora regenerados, temos o Espírito de Deus habitando dentro de nós, não é como nos tempos passados que o Espírito não fazia morada (Ex. Sansão)

Livres do pecado, livres da natureza carnal, agora renascidos da Palavra e do Espírito nos tornamos como o último Adão, seres espirituais “Espíritos vivificantes” (1 Co 15:45) o fruto do Espírito agora é produzido em nós sem nenhum esforço de nossa parte. Amar, perdoar, ter paciência, ser bondoso, ter domínio próprio, ser fiel, agora com essa nova vida em Cristo é fácil.

O que somos? Carnais ou espirituais? Não podemos ser as duas coisas ao mesmo tempo “Não podeis servir a dois senhores…” (Mt 6:24)

Assim como muitos são “leigos em música, muitos são leigos nas coisas Espirituais” pensando que podem ser do Senhor e ainda assim ter uma natureza carnal. Ler (Gl 5: 21)

Deixe de lado tudo que é humano, vontades e tradições de homens ainda que muitas vezes bem-intencionados. Lance toda sua fé na obra perfeita da cruz e experimente pela graça maravilhosa de Jesus, a completa libertação da natureza carnal, tome posse de uma nova mente, a mente de Cristo e se entregue totalmente a agradar a Deus. Só aqueles que experimentam esta total regeneração, podem pertencer a verdadeira igreja, à Jerusalém que é de cima e é livre, pois não é gerada segundo a carne, mas segundo o Espírito “Cristo nos libertou para que nós sejamos realmente livres. Por isso, continuem firmes como pessoas livres e não se tornem escravos novamente.” (Gl 5:1).

Em breve disponibilizaremos a gravação.

Pra. Maria Granado

Por Pra. Maria Granado

Pastora Líder e fundadora, com o amor de mãe, tem dedicado todos os seus dias na presença do Senhor, no cuidado para com os irmãos e na pregação da Palavra da Salvação.