Skip to content

“Qual a importância da Ceia do Senhor?” – Pastora Maria

dez 01 2019

pr-maria-011219

Culto ministrado pela pastora Maria Granado, em 01 de dezembro de 2019.

Qual a importância da Ceia do Senhor?

Texto Base: (1 Co 11:17-34)

Introdução:

A Ceia do Senhor é uma experiência que deve estremecer a alma por causa do profundo significado que traz.

Foi durante a antiga celebração da Páscoa, na véspera de Sua morte, que Jesus instituiu uma nova e significante refeição, uma “refeição de comunhão”, a qual observamos até os dias de hoje, e que é a mais alta expressão da adoração e união cristã.

Deve ser uma “celebração solene”, relembrando a morte e ressurreição de nosso Senhor e Salvador Jesus cristo, e visualizando o futuro em que retornará em Sua glória.

Quando foi instituída

A Páscoa era a festividade mais sagrada do ano religioso judaico. Comemorava a ultima praga no Egito, quando os primogênitos dos egípcios morreram e os israelitas foram poupados por causa do sangue de um cordeiro que fora aspergido em seus portais.

Então o cordeiro foi assado e comido com pão sem levedura. A ordem de Deus foi que através das gerações vindouras a festividade fosse celebrada. A história está registrada em. (Êxodo 12:21)

Jesus comemorava a Páscoa todo ano.

Durante a celebração, Jesus e os discípulos possivelmente cantaram juntos um ou mais dos “Salmos” talvez o (Salmos 111 que diz: aleluia! “ De todo o coração renderei graças ao Senhor… ou o 118 “Renderei graças ao Senhor porque Ele é bom, e as suas misericórdia dura para sempre”).

Depois de cantarem, Jesus, tomando o pão, deu graças a Deus. E ao parti-lo e distribuir aos discípulos, disse: “Tomai, comei; este é o Meu corpo que é partido por vós.”

Do mesmo modo, tomou o cálice, e depois de cear, deu-lhes o cálice, E disse: “Este cálice é o novo testamento no meu sangue, que é derramado por vós; fazei isto em memória de Mim.”

Ele concluiu a ceia cantando um hino e eles saíram pela noite até ao Monte das Oliveiras, logo depois Jesus foi preso e morto no dia seguinte (Marcos 14:22,26)

O Apóstolo Paulo escreveu a respeito da Ceia do Senhor por divina revelação em (I Coríntios 11:23-29) (Isto foi porque Paulo ainda não estava presente quando Cristo a instituiu, Paulo se converteu ao cristianismo após a morte e ressurreição do Senhor Jesus.)

Paulo inclui afirmações não encontrada nos Evangelhos: “Portanto, qualquer que comer este pão, ou beber o cálice do Senhor indignamente, será culpado do corpo e do sangue do Senhor. Examine-se, pois, o homem a si mesmo, e assim coma deste pão e beba deste cálice. Porque o que come e bebe indignamente, come e bebe para sua própria condenação, não discernindo o corpo do Senhor” (I Co 11:27-29).

Podemos perguntar o que significa participar do pão e do cálice “indignamente”?

 1= Pode significar ignorar, não dar valor para o verdadeiro significado do pão e do cálice, e se esquecer do tremendo preço que nosso Salvador pagou por nossa salvação.

2= Pode significar permitir que a cerimônia se torne um ritual morto e formal, ao vir à Mesa com pecado não confessado e abandonado.

Paulo, nos orienta que, cada um deve examinar a si mesmo antes de comer do pão e beber do cálice.

Outra afirmação de Paulo que não se encontra incluída nos Evangelhos é “Porque todas as vezes que comerdes este pão e beberdes este cálice anunciais a morte do Senhor, até que venha” (I Coríntios 11:26).

Isto coloca um limite de tempo à cerimônia: Até a volta do Senhor Jesus Cristo.

O Próprio Jesus disse: (Lucas 22: 14,18)

Jesus declarou que o pão testemunhava de Seu corpo que seria partido.

E Seu corpo ficou tão terrivelmente ferido, que dificilmente se reconhecia .

O suco de uva testemunhava de Seu sangue, indicando a terrível morte que em breve experimentaria.

Quando Ele disse: “Fazei isto em memória de Mim”, indicou que esta era uma cerimônia a ter continuidade no futuro.

Também indicou que a Páscoa, que exigia a morte de um cordeiro e vislumbrava a vinda do Cordeiro de Deus que tiraria o pecado do mundo, se fazia agora obsoleta.

“O Novo Testamento, a nova aliança” tomou seu lugar quando Cristo, o Cordeiro de Deus foi sacrificado (Hb 8:12,13).

O próprio Jesus nos ensinou como proceder no ato da ceia do Senhor

A Ceia do Senhor é nossa oportunidade para lembrar o sacrifício que Jesus fez na cruz, pelo qual ele nos oferece a esperança da vida eterna: “Porque todas as vezes que comerdes este pão e beberdes o cálice, anunciais a morte do Senhor, até que ele venha” (1 Co 11:26).

A Ceia do Senhor não pretende ser um memorial do nascimento, da vida ou da ressurreição de Cristo.

É um momento especial no qual nós os cristãos devemos refletir sobre o sofrimento do Salvador, e nos lembrar do alto preço que ele pagou por nossos pecados.

Precisamos como Paulo, manter este tema central do evangelho firmado em nossos corações. (1 Co 2:1-5)

Jesus usou dois símbolos para representar seu corpo e seu sangue. É claro que ele não ofereceu literalmente seu corpo (que ainda estava inteiro) nem seu sangue (que ainda estava correndo através de suas veias). Ele deu aos discípulos pão sem fermento para representar seu corpo e o fruto da videira (suco de uva) para representar o sangue que estava para ser derramado na cruz.

Ele não deixou dúvida sobre a relação deste sacrifício com nossa salvação: “Porque isto é o meu sangue, o sangue da nova aliança, derramado em favor de muitos, para remissão dos pecados” (Mt 26:28).

A ordem na qual a ceia foi observada. Jesus primeiro orou para agradecer a Deus pelo pão e então todos o partilharam. Ele orou de novo para agradecer ao Senhor pelo cálice, e todos beberam dele. Deste modo, ele chamou especial atenção para cada elemento da ceia.

Vamos ver o que significa participar “indignamente”?

Como nos orienta Paulo, ao participarmos da Ceia do Senhor devemos nos examinar para estarmos certos de que estamos participando de maneira correta, discernindo o verdadeiro significado da celebração. “Por isso, aquele que comer o pão ou beber o cálice do Senhor, indignamente, será réu do corpo e do sangue do Senhor. Examine-se, pois, o homem a si mesmo, e assim, coma do pão e beba do cálice; pois quem come e bebe sem discernir o corpo, come e bebe juízo para si” (1 Co 11:27-29).

A palavra “indignamente” é frequentemente mal entendida. Ela não descreve a dignidade da pessoa (ninguém é verdadeiramente digno de comunhão com Cristo).

Esta palavra descreve o modo de participar. A pessoa que não leva a sério esta comemoração está brincando com o sacrifício de Cristo e está se condenando por não discernir o corpo de Cristo.

Se tratarmos a Ceia do Senhor como um mero ritual, ou se a tomarmos levianamente e deixarmos de meditar no seu significado, condenamo-nos diante de Deus.

Na epístola de Paulo aos coríntios, fica claro que a Ceia do Senhor tem consequências espirituais; ela será sempre um momento de benção ou de maldição para os que dela participam.

BENÇÃO

Quando entendemos a importância de participarmos da celebração da ceia com uma consciência limpa, entendendo, os benefícios que nos trouxe o alto preço pago pelos nossos pecado pelo Senhor Jesus Cristo, nos levando a uma nova vida.

Livres agora da nossa velha vida de pecado.

A obra redentora de Cristo nos proporciona cura física, e na Ceia do Senhor é um momento onde podemos provar a benção da saúde a da cura.

Muitos estavam fracos e doentes na igreja de Corinto por não discernirem o corpo do Senhor na Ceia.

Ao falar sobre comungarem com o corpo do Senhor, Paulo se referia não apenas ao corpo do Cristo crucificado por meio do qual somos sarados, mas também ao corpo ressurreto, no qual habita toda a plenitude da divindade e é fonte de vida aos que com ele comungam.

A Ceia do Senhor deve ser um momento especial de comunhão, reflexão, devoção, fé, e adoração.

MALDIÇÃO

A Bíblia não usa especificamente esta palavra, mas mostra que a maldição pode vir como um juízo de Deus para quem desonra a Ceia do Senhor.

Depois de ter dito que ao participar da mesa do Senhor a pessoa está anunciando a morte de Jesus até que ele venha, Paulo, inspirado pelo Espírito Santo, traz a seguinte advertência:

“Por isso, aquele que comer o pão ou beber o cálice do Senhor indignamente, será réu do corpo e do sangue do Senhor. Examine-se, pois, o homem a si mesmo, e assim coma do pão e beba do cálice, pois quem come e bebe sem discernir o corpo, come e bebe juízo para si. Eis a razão pelo qual há entre vós muitos fracos e doentes, e não poucos que dormem. Porque, se nos julgássemos a nós mesmos, não seríamos julgados. Mas, quando julgados, somos disciplinados pelo Senhor, para não sermos condenados com o mundo.” (1 Coríntios 11.27-32)

Para muitas pessoas, a Ceia é algo que as amedronta; preferem não participar dela quando não se sentem dignas, para não serem julgadas.

Mas deixa te fazer um alerta: veja a Bíblia não nos manda deixar de tomar, e sim fazer um autoexame antes, pois se houver necessidade de acerto devemos fazê-lo o mais depressa possível. (1 Jo 1.9).

Deixar de participar da mesa do Senhor é desonrá-la também! Devemos ansiar pelo momento em que unidos cearemos, e não evitá-la.

Mas há aqueles que querem fingir que estão bem, e participam sem escrúpulo algum do que é sagrado; para estes, não tardará o juízo.

Não há meio termo; a refeição não é apenas um simbolismo; não se participa da Ceia do Senhor como se participa de uma cerimônia qualquer, pois é um momento santificado por Deus e de implicações no reino espiritual.

CONCLUSÃO

A Santa Ceia é um convite para o pecador morrer cada vez mais para o pecado e viver cada vez mais para Cristo.

“Estou crucificado com Cristo, e já não vivo, mas Cristo vive em mim. A vida que agora vivo na carne, vivo-a na fé do Filho de Deus, que me amou e a si mesmo se entregou por mim.” (Gl 2.20)

COMUNIDADE CAMINHO DA PAZ

Pra. Maria Granado

Para ouvir a gravação do culto, clique em play, no player abaixo!

Pra. Maria Granado

Por Pra. Maria Granado

Pastora Líder e fundadora, com o amor de mãe, tem dedicado todos os seus dias na presença do Senhor, no cuidado para com os irmãos e na pregação da Palavra da Salvação.